Capa do Site - Inicial

História do Novo Pensamento N-P

BIOGRAFIAS

BIBLIOTECA

Quem Somos Nós

Motivação Pessoal

CURSO William Atkinson Poder da Mente

Phineas Quimby

ARTIGOS

N-P e NOVA ERA

 

 

HISTÓRIA DO MOVIMENTO

NOVO PENSAMENTO

 

O Novo Pensamento ou Movimento Novo Pensamento foi (e continua sendo) um movimento espiritual que eclodiu nos Estados Unidos no final do século XIX e que enfatiza crenças metafísicas, incluindo os ensinamentos secretos de Jesus e de muitos mestres da mente e filosofia de todos os tempos.

 

 O Movimento do Novo Pensamento abrigava (e ainda abriga) um amplo leque de pessoas e grupos livremente formados por diversas denominações religiosas, organizações seculares, autores, filósofos, e indivíduos que compartilham um conjunto de crenças metafísicas referentes aos efeitos do pensamento positivo, Lei da Atração, cura, força vital, visualização criativa, poder pessoal, e ensinamentos da Bíblia, em especial de Jesus. Mas não, em absoluto, no domínio de uma religião, apesar de abrigar numerosos religiosos das numerosas denominações religiosas. Religiosos que se livraram dos antolhos e viram nos ensinamentos de Jesus muito mais que uma salvação por procuração, e que transferem essa missão de salvador para cada um de nós mesmos. E o Novo Pensamento nada mais é que o cumprimento dessa missão, aqui e agora, de realização como “filhos de D/eus” e, portanto, imagem e semelhança de D/eus a quem estamos infalivelmente (em todos os sentidos) ligados.

 

Pelo que o Movimento Novo Pensamento promove a ideia de que Deus, tendo o dom da ubiquidade, é o Espírito que é e está na totalidade das coisas e, portanto, a verdadeira natureza humana é divina, o pensamento do homem, em sua totalidade, é divino e criativo por natureza. Fora desse totalidade, é o que chamamos de “sombra” ou “imagem”, e nesta totalidade é que chamamos de “luz”, ou “não-imagem”. Como D/eus não erra, o homem, em sua mente-metade causa o erro, e assim as doenças se originam primeiro na mente, e consequentemente o “pensamento positivo” tem um efeito regenerador.

 

ORIGEM DO MOVIMENTO

 

  O Novo Pensamento começa como Phineas Parkhurst Quimby um filósofo adepto do uso do mesmerismo (hipnotismo) como “placebo” na cura de doenças e – sobretudo - de condições mentais que levavam à doença. Em outras palavra, Quimby era holista. Ele é relacionado como o primeiro, ou um dos primeiros, proponente do Novo Pensamento. Além de holista era filósofo, hipnólogo, médico, e que popularizou o ensino de que a doença se desenvolve primeiro na mente do homem por falsas crenças, e que a mente aberta para a sabedoria de Deus vence a doença.  Entende-se por “Sabedoria de Deus” a compreensão pela pessoa da mais elementar verdade da vida, ensinada por Jesus, mas enormemente quase sempre esquecida, da origem divina do homem. Absolutamente nada do Novo Pensamento vai contra os ensinamentos da Bíblia, até pelo contrário, e não é sem razão que muitos religiosos aderiram ao movimento que hoje está figurado no que se convencionou chamar de “Nova Era”, “O Segredo” ou “Lei da Atração”. 

 

 O princípio do Novo Pensamento se baseava no ensino de que o corpo era uma casa para a mente do homem. Se havia um "inimigo" instalado no corpo, se dava por uma crença errada da mente, mesmo com o desconhecimento do portador, a mente ou falsa crença mantida na mente é o que adoecia o homem, não somente no corpo, mas também em suas condições financeiras.

 

Como curador, Quimby era uma espécie de “exorcista”: prometia entrar na “casa da pessoa” e com o poder da mente – a sua e a do paciente -, expulsar o intruso, corrigindo a "impressão errada" registrada e rodando como um programa, pelo restabelecimento da "verdade" simples e evidente. Como bem disse o Divino Mestre: “Conhecereis a Verdade, e sereis livres”. E a Verdade é simples, D/eus não complicou as coisas para o homem, o homem, sim, as complicou e registrou em seu espírito crenças errôneas que o levam a repetir o mesmo erro, no que se convencionou chamar de círculo vicioso. O círculo virtuoso, entretanto, pode ser “instalado” na mente do mesmo modo que o foi o vicioso.

 

 O Novo Pensamento foi propalado por inúmeros pensadores e filósofos e emergiu em meio a uma variedade de denominações religiosas seculares, particularmente a Igreja da Unidade, Ciência Religiosa e a Igreja da Ciência Divina (capitaneada pelo famoso escritor Dr. Joseph Murphy, autor de O Poder do Subconsciente).

 

Muitos dos primeiros pensadores e estudiosos foram mulheres. As mulheres, diga-se, exerceram grandioso papel no Movimento do Novo Pensamento. Entre elas se destaca Elizabeth Towne, editora da revista Nautilus, principal farol do Movimento. Entre os homens o grande destaque fica por conta de William Walker Atkinson.  

 

Entre os autores, mestres e guias que influenciaram o Novo Pensamento, estão Phineas Parkhurst Quimby, Emma Curtis Hopkins e a filosofia do Transcendentalismo, através de Ralph Waldo Emerson e outros pensadores americanos do século XIX. O Movimento, entretanto, seguiu século XX adentro, até a morte de Elizabeth Towne em 1960, aos 95 anos. Durante o século XX destacaram-se Napoleon Hill, Charles Haanel (autor de  O Sistema da Chave Mestra)

 

  O ensinamento central do Novo Pensamento foi e continua sendo que o pensamento evolui e cria e modifica nossa experiência nesse mundo. É o verdadeiro “intermediário”, aquilo que Jesus denominou de “filho do homem”.

 

O Movimento coloca bastante ênfase no pensamento positivo, na autoafirmação, na meditação e na “oração científica”, isto é, no modo correto e lógico (verdadeiro) de orar.

 

Apesar de envolver religião, os escritores evitam temas polêmicos como pronunciamentos dogmáticos, celeumas, diatribes sobre a vida após a morte e outras questões teológicas que, invariavelmente, acabam em rusgas. O foco é, portanto, em “você cria a sua realidade” sob certos parâmetros inseridos dentro da “Verdade” lógica e simples, apesar desta parecer complexa.

 

VEJA AQUI MAIS SOBRE A CHAVE MESTRA

 

 

A mentalidade do Novo Pensamento é de manter o pensamento em evolução, não deixá-lo estático, estagnado nem sob dogmas, revendo a monolítica doutrina da “salvação por procuração”, colocando-a primeiro nos ombros e obrigação de cada um de nós, como cristão e conhecedor da verdade que isso implica. Com o passar do tempo, e com o desenvolvimento cada vez mais rápido da Ciência – em especial da Física Quântica, com a qual Movimento moderno do Pensamento se identifica por meio de uma miríade de escritores modernos neste século XXI, que se supõe será século de ouro da humanidade - a consciência humana, nosso pensamento, se transforma a cada revelação que a Ciência nos traz, e que, seguramente, nos leva mais perto dos princípios eternos ensinados pelos grandes mestres espirituais de todos os tempos. Não foi por acaso que Albert Einstein disse: “A religião sem a Ciência é cega, e a Ciência sem a religião é manca”. O Movimento do Novo Pensamento se propôs justamente tirar a venda da cegueira da religião, por meio da Ciência lógica, e esta ciência estamos vendo hoje estampada nas mais fantásticas teorias da Física Quântica que, um dia, dará o aval à eterna verdade pregada pelos grandes mestres como Jesus.

 

 

>>>>>>  A SEGUIR: NO QUE ACREDITA O MOVIMENTO NOVO PENSAMENTO

 

   Algumas pessoas que participaram do Movimento Novo Pensamento

 

Malinda Cramer Phineas P. Quimby Emma C. Hopkins William W. Atkinson
Ernest Holmes Charles Fillmore H. Emilie Cady Genevieve Behrend

Myrtle Fillmore

Mary M. Morrissey

Ralph Waldo Emerson Elizabeth Towne
Nona Brooks Thomas Troward Emanuel Swedenborg Mary Baker Eddy
Charles Haanael Napoleon Hill

Kenneth Hagin

Henry Drommond
Joseph Murphy Wallace D. Wattles Norman Vincent Peale James Allen