Capa do Site - Inicial

História do Novo Pensamento N-P

BIOGRAFIAS

BIBLIOTECA

Quem Somos Nós

Motivação Pessoal

CURSO William Atkinson Poder da Mente

Phineas Quimby

ARTIGOS

N-P e NOVA ERA

 

 

 O GRANDE PIONEIRO

PHINEAS PARKHURST QUIMBY

 

 

 

   Phineas Parkhurst Quimby nasceu no estado americano de Nova Hampshire a 16 de fevereiro de 1802 e faleceu em Belfast, Maine, a 16 de janeiro de 1866. Foi um mestre espiritual americano e um dos pioneiros das ideias teológicas que deram origem ao Movimento do Novo Pensamento. Era dos sete um ferreiro, e recebeu pouca educação formal. Quimby sofria de algumas doenças, isso foi o que o motivou a estudar os assuntos relacionados com curas “milagrosas”.

 

O Dr. Quimby desenvolveu algumas ideias sobre a capacidade das pessoas de curar suas enfermidades por meio da força de suas mentes. Esta crença na cura derivava da teologia de um Deus amoroso e de uma realidade espiritual mais densa e profunda, mais real que o nosso mundo. Começou a ensinar sua visão para os outros. Mary Baker Eddy, que mais tarde fundou a Ciência Cristã, estudou com ele por um tempo, assim como outros que foram, mais tarde, inspirar o Movimento do Novo Pensamento.

 

Por quase 20 anos, até sua morte, dedicou sua vida a curar as pessoas não só através de seus conhecimentos médicos, mas, sobretudo, tratando o doente holisticamente, ressaltando que a causa principal de muitas doenças estava primeiro na mente, e do mesmo modo que a doença se instalou através da mente, ela disponibilizava um poder curativo capaz de removê-la. Este modo de pensar, atualmente comprovado pela medicina psicossomática, que utiliza placebos como medicamentos, pessoas se curam pensando que estão tomando poderosos remédios que estão em pesquisa em laboratórios de ponta. Quimby afirmava que todo mundo possui um poder curativo inerente que deve ser despertado.

 

O Dr. Quimby fez diversos experimentos nos campos da hipnose, da sugestão, e do espiritualismo e espiritismo, deixando numerosos escritos sobre essas experiências. Lidou com cerca de 12 mil doentes, obtendo às vezes resultados espantosos. 

 

            Evidentemente, como uma pessoa inovadora foi muito combatido pelo poder religioso estabelecido. Porém, como era um movimento em franca expansão, com outras pessoas culturalmente privilegiadas se juntando a ele, o Movimento do Novo Pensamento triunfou, apenas trocando de vestes no decorrer das décadas. Atualmente este movimento em seu mais novo nome está ligado à Física Quântica.

 

De um modo ou de outro este movimento, desde o início, tem procurado se amparar na Ciência, ainda que a Ciência não o endosse por envolver espiritualismo. Todavia, é certo que Einstein apreciava este movimento, assim como, hoje, numerosos cientistas de todas as áreas das Ciências (particularmente os físicos) estão engajados neste movimento de conscientização dos poderes do homem.  

 

A obra de Phineas Quimby é extensa. É um dos nomes mais citados nos livros do Dr. Joseph Murph. É meu objetivo publicar tudo, em português, sobre este grande homem, pai do Novo Pensamento, o grande pioneiro.

Infelizmente praticamente nada se encontra atualmente em português.

 

 

OS MANUSCRITOS QUIMBY

 

Publicado em 1921, o livro contém relatos das curas efetuadas pelo Dr. Quimby, que repetiu muitas das curas "milagrosas" registradas na Bíblia. Ele simplesmente fazia com que as pessoas entendessem uma verdade elementar a respeito de suas vidas, de modo que, como diz o adágio, conhecimento é poder, o próprio paciente se curava. Como disse Jesus: "Conheça a verdade, e ela o liberta". Quimby simplesmente argumentava com o paciente, fazia-o encarar suas falsas crenças, que eram, na maior parte das vezes, o motor de sua doença. Quando o paciente se imbuia das verdades elementares e indiscutíveis (as mesmas ensinadas por Jesus, claro!) por tabela as falsas crenças morriam e ele se curava sozinho!

 

O médico francês Dr. Émile Coué é um dos grandes curadores pelo método da substituição das crenças falsas pelas verdades elementares. "Conheceres a verdades, e sereis livres".   

 

O site phineasquimby.com é inteiramente dedicado aos trabalhos do Dr. Quimby. Outro site grandemente dedicado a Quimby é o ppquimby.com que tem os trabalho deste mestre da cura, fotos, informações de família, e suas obras.

 

Todos os seus trabalhos em inglês estão disponibilizados em numerosos site.

Em breve estarão disponibilizados neste site também. E na medida do possível, traduzidos.

 

 UM EXPERIMENTO HIPNÓTICO

CONDUZIDO PELO DR. QUIMBY

           

 Aos 36 anos Quimby assistiu a uma palestra sobre mesmerismo e ficou tão impressionado que daí para frente passou a atuar como "agente de cura magnético".

Mary Baker Eddy, fundadora da igreja da Ciência Cristã tomou aulas com ele. Todavia, Mary Baker passou a atribuir unicamente a Deus a curas, alijando o papel da mente tão enfatizado por Quimby no processo da cura. Dizem alguns de seus biógrafos que ele desaprovou o posicionamento de Mary Baker, mas nenhum combateu o outro.  

 

  A experiência abaixo sobre hipnose (na época chamada mesmerismo) narrada pelo próprio Quimby está e um de seus escritos intitulado “Pode um espírito ter carne e sangue?” É de 1862.

 

     "Vou contar uma experiência de mesmerismo que realizei com o meu paciente Lucius. Eu pedi a uma pessoa qualquer na sala que me desse o nome de um indivíduo escrito numa folha de papel. Eu enviaria o rapaz a encontrar a pessoa, morta ou viva, o que ele fazia trazendo a pessoa à sala e descrevendo-a para o auditório. Uma vez foi-me entregue um nome, que dei, como de costume, ao rapaz. Ele disse que era um homem que tinha mulher e filhos, que havia deixado a cidade no decorrer daqueles dois dias, que era carpinteiro de profissão e que tinha deixado a sua caixa de ferramentas num barracão e seguido diretamente para Boston.

Eu lhe disse que seguisse o homem e ele assim fez e disse que o tinha encontrado em Ohio numa oficina de tanoeiro onde morrera. Assim mesmo eu lhe disse que o encontrasse.

Finalmente, o rapaz disse que o tinha encontrado e eu lhe disse que o trouxesse até a frente do pessoal presente e o descrevesse. Ele respondeu:

- Não pode vê-lo? Ele está aqui. 

Respondi ao rapaz que ele estava num estado mesmérico (ele podia compreender isto, mas admitiu-o porque eu o disse). Para ele não havia mudança, pois conservava todas as suas faculdades e sua identidade era tão perfeita como quando estava acordado. Expressava medo e alegria diante do que via tal qual como se estivesse desperto. Eu lhe disse que o descrevesse. Ele começou por dar uma descrição geral e interrompi-o perguntando se tinha alguma característica particular.

- Bem – respondeu o rapaz – acho que qualquer pessoa reconheceria este homem por causa do lábio leporino.

Perguntei à pessoa que tinha dado o nome se a descrição estava correta e a pessoa me disse que sim em todos os detalhes. Era um caso evidente de espiritualismo. O paciente lia cartas fechadas, ia a um lugar distante e fazia uma pergunta a uma pessoa e obtinha uma resposta, e a pessoa não tinha consciência de ter respondido a qualquer pergunta."